Tag: renuncia

0

A 14 dias do momento em que Bento XVI passa a ser Bispo emérito de Roma e deixa de ser Papa, partilhamos alguns testemunhos de jovens que conhecerem Bento XVI e têm uma palavra a dizer sobre ele…

Luís, 15 anos:

Bento XVI Porto

Desde pequenino que dizia que queria ver o papa, um homem extraordinário enviado por Deus, assim eu o via. Tive o grande prazer de o ver no meu dia de anos, na cidade do Porto. Foi a maior prenda que recebi, e o que vi fez-me gostar mais dele. Ele moveu multidões de pessoas para o local e quando ele passou foi um momento mágico: as pessoas aplaudiam, gritavam e choravam. O seu sorriso e o seu aceno de mão eram cativantes. A sua alegria estava bem visível.
O Papa Bento XVI foi um grande Papa, acho-o fantástico. Não me esquecerei das imagens dos milhões de jovens em silêncio, sob uma forte tempestade, nas JMJ Madrid. Não é qualquer um que consegue isso… A sua fé e mensagem cativaram muitas pessoas e irão continuar a cativar. O seu pontificado irá acabar a 28 de fevereiro mas ele será sempre lembrado.

 

Samuel, 16 anos:

Papa despede-se carroTodos nós, como Igreja Católica, “devemos” muito a este Santo Padre, pois todos sabemos que assumir um cargo tão elevado e tão responsável não é fácil.
Todo o seu trabalho e dedicação á igreja enquanto Papa foi notável.
As JMJ, que quase todo o mundo acompanhou de perto ou de longe, contaram com a sua presença e com a sua dedicação.
A sua vinda a Portugal encheu de alegria toda a massa católica e não católica do nosso pais, ninguém ficou indiferente.
Sabemos que uma decisão como esta, foi tomada com muita oração e sofrimento pois não deve ser fácil tomá-la.
Por isto e por tudo o que fez Bento XVI devemos agradecer, apoiar. Acima de tudo, rezar por este grande homem.
Obrigado Papa Bento XVI.

 

Fernando, a rir há 40 anos:Papa Bento XVi despede-se

O Papa Bento XI chegou como uma surpresa. Foi o homem de Deus certo no momento certo da história da salvação. Um homem sábio, coerente e equilibrado. Continuou a surpreender-me durante todo o seu mandato papal, mesmo todo. Pergunto-me: que tipo de homem de Deus está esta Igreja de Deus a necessitar? O Espírito Santo se há de encarregar.

 

Filipa, 19 anos:

Bento XVI adoração cuatro vientos JMJA minha experiência com o Papa Bento XVI foi única. A minha primeira e para já única experiência com o Papa foi na Missa da Jornada Mundial da Juventude em Madrid de 2011, onde mal conseguíamos ver o altar, apenas víamos um “pontinho preto” bem pequenino que seria o Papa, mas foi igualmente bom estar ali com os nossos amigos, com pessoas desconhecidas de outras nacionalidades e culturas bem diferentes da nossa… Foi a primeira vez que estive com tal ilustríssima imagem da Igreja e dos Cristãos. No meio dessa multidão, senti-me bem, senti uma paz e um silêncio surpreendentes… ainda hoje penso como é que foi possível milhões de pessoas conseguirem estar em silêncio…
Sinto, sentia e sentirei sempre um enorme apreço e gratidão por tudo o que fez na nossa Igreja e na nossa sociedade cristã. Acho que a decisão dele foi sensata e difícil por isso apoio-o, pois apesar de ser o substituto de Pedro na Terra, este deve ter um substituto nas suas plenas forças para conseguir fazer ainda mais e melhor, ou pelo menos fazer o mesmo que este fez com a sua dedicação sempre a Cristo e aos Cristãos.

 

Inês, 18 anos:

última missa de Bento XVIBom dia Santo Padre
Por esta carta, venho em primeiro lugar agradecer o seu SIM. Foi um dos primeiros exemplos que me marcou, um exemplo de amor e sacrifício. Não tenho dúvidas de que este lugar não lhe significa poder, mas sim serviço. Estes últimos anos foram atribulados, de desdém e de crescimento. O seu lugar na História ficará nos corações puros e dados a Cristo. Não ficará a renúncia mas o SIM.
Assisti de longe, mas de perto na oração. Os discursos polémicos, viagens cheias de alaridos e sorrisos que arrepiavam de tão cheios de Cristo. O amor foi algo sempre presente, não só nas palavras, no sorriso e no olhar, mas também nos atos e posturas.
O culminar desta relação foram as jornadas mundiais da juventude. Soube que mais que líder da Igreja, tem como papel apresentar exemplos vivos de fé. Carregou toda a responsabilidade, como Cristo carregou a Cruz. Connosco orou à chuva, convosco oramos para sempre.
A prova de que a juventude lhe é grata foi o momento em que dezenas de milhares de jovens numa cidade reunidos em nome de Cristo gritaram “Esta es la juventud del papa”. Melhor oração e encontro não poderia haver.
Acima de tudo, a sua renúncia foi mais um exemplo de humildade e de verdadeiro serviço. Além disso, fez-me questionar e procurar como estão os mais idosos. O papel de líder requer imensa força e é preciso coragem para admitir que não a tem. Rezo, neste momento, não apenas pela sua saúde mas também pela dos que não se sentem capazes de continuar a servir e que já serviram tantos anos. Que Deus o acompanhe e lhe dê a sua merecida recompensa.

 

Eduardo, 15 anos:

Bento XVI vai emboraPapa Bento XVI: Não o conheci pessoalmente, mas gostava. É sempre bom ter alguém como o senhor no mundo. Ser como o senhor, seria o sonho de qualquer um, pela sua sabedoria, ou até mesmo pelo seu cargo. Mas no meu caso, só pediria 10 % da sua sabedoria, da sua experência. Isto porque não é qualquer um que faz com que as pessoas chorem, gritem, etc, por si. Gostava de poder viver a religião como o senhor, poder exprimi-la como o senhor, enfim, mil e uma coisas, relacionadas com a religião. Graças a si e a outras pessoas, posso afirmar que os meus pais fizeram bem em ensinar-me a ser católico. Uma religião que sobrevive há mais de 2 mil anos, e que nunca me deixou ficar “mal”. Um grande obrigado. O seu pontificado poderá acabar em breve, mas deixará sempre uma marca em cada um de nós. Porque um trabalho como o que fez, ninguém faz. Pode fazer parecido, mas o seu tem um brilho diferente. Por tudo isto: um Grande Obrigado!

 

Manuel, 28 anos:sede vacante 2013

Falar sobre Bento XVI é algo de espantoso! Nele encontramos aquela virtude que muito falta à Humanidade nos dias de hoje, a coerência. Coerência, acima de tudo, de ser filho de Deus, a qual nos dá um verdadeiro desapego das coisas que nos afastam do amor.
Sempre me admirou este homem que continuamente se manteve fiel Àquilo em que acredita, nunca vacilando, nunca dando um jeito de falar bonito num discurso ou numa entrevista. Ele sempre defendeu e defende Aquilo que ama, Aquilo por quem deu a vida e se tornou num “simples trabalhador da Sua seara”.
Muitas vezes nas nossas vidas queremos ser populares, ter o máximo de audiências e atenção, queremos ter o maior número de Likes, e este homem ensinou-nos, nesta Segunda-Feira, 11 de Fevereiro, que nada disto interessa. O que interessa é a Páscoa do Senhor. É morrermos para nós próprios e renascermos para a vida dos outros, que com amor, nos fazem chegar e compreender Deus. Obrigado, Santo Padre!

Um teólogo incontornável, um intelectual respeitado, um alemão que levou a cabo um pontificado de quase oito anos carregado de discursos marcantes e sérias polémicas. A 16 de Abril de 2013 Bento XVI celebra 86 anos, mas já não será o chefe supremo da Igreja Católica. A 11 de Fevereiro, dia em que apresentou a resignação como Papa, a Renascença estreia um web-documentário, que abre as portas ao lado íntimo de um “servo de Deus” fascinado por música e gatos.
Um documentário realizado por Joana Beleza para a Rádio Renascença, partilhado por nós pela elevada qualidade do mesmo!

0

A notícia apanhou o mundo de surpresa, uma vez que não havia indicações neste sentido nos últimos tempos. Cardeal Angelo Sodano, actual número dois do Vaticano, disse mesmo que o anúncio foi como um “raio fulminante num céu sereno”.

O discurso da resignação do Papa:
Caríssimos Irmãos,
Convoquei-vos para este Consistório não só por causa das três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja.
Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idóneas para exercer adequadamente o ministério petrino.
Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando.
Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado.
Por isso, bem consciente da gravidade deste acto, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de Abril de 2005, pelo que, a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20,00 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.
Caríssimos Irmãos, verdadeiramente de coração vos agradeço por todo o amor e a fadiga com que carregastes comigo o peso do meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos.
Agora confiemos a Santa Igreja à solicitude do seu Pastor Supremo, Nosso Senhor Jesus Cristo, e peçamos a Maria, sua Mãe Santíssima, que assista, com a sua bondade materna, os Padres Cardeais na eleição do novo Sumo Pontífice.
Pelo que me diz respeito, nomeadamente no futuro, quero servir de todo o coração, com uma vida consagrada à oração, a Santa Igreja de Deus.
Vaticano, 10 de Fevereiro de 2013.
BENEDICTUS PP. XVI