FAQ Vocacional

1.Que significa vocação?

“Vocare” = chamar (chamamento, vem do latim).

2.Quantas vocações (quantos chamamentos) faz Deus ao homem?

Vocação à vida
Vocação a ser cristão
Vocação à escolha do estado de vida
Solteiro
Casado
Sacerdócio
Religioso (frade/freira)

3.Quem chama?

É Deus. Assim: Deus chama à vida, a ser cristão, a ser casado, a ficar solteiro no mundo, a ser sacerdote, a ser religioso.

4.Todo o chamamento (vocação) implica uma resposta?

Toda a vocação implica, pelo menos, duas pessoas: Deus, sua chama; o homem, que ouve o chamamento e responde.

5.Toda a vocação implica uma “eleição” por parte de quem chama a favor do chamado?

Para chamar por uma pessoa, dentre várias tem de se fazer uma “escolha”, uma “eleição especial”.

6.A resposta à vocação tem de ser, por conseguinte, pessoal?

Ninguém pode responder por outro. Nem um colega, nem um diretor, nem um confessor, nem um superior, etc.

7.A resposta à vocação tem de ser “responsável”?

A resposta à vocação tem de ser fruto de uma reflexão consciente; esta resposta, vinda de uma pessoa humana, tem de ser um “ato humano”.

8.A resposta à vocação tem de ser “livre”?

Nenhuma razão deve forçar o jovem a dizer um “sim”.

9.A vocação exige, por parte de quem se decide a segui-la, um “deixar” alguma coisa, uma renúncia?

Vai ver a história da vocação de André e Pedro; de Tiago e João. Abre a Bíblia em Mateus 8, 18-20 e Mateus 4, 12-22.

10.Continuo com duvidas...

Escreve-nos: vocacao@noalto.com

11.Acho que sou chamado...

Escreve-nos: vocacao@noalto.com

Todo o chamamento (vocação) implica, pelo menos duas pessoas: a que chama e a quem é dirigido o chamamento. O problema da “crise de vocações” está na segunda pessoa, isto é, na generosidade da resposta. Deus continua a chamar hoje como chamava antigamente. Mas hoje não se responde como antes: ou porque falta educação adaptada; ou… por falta de generosidade do jovem! Ou por medo!? Os atrativos da vida são hoje mais do que nunca. Isto significa que a tua resposta, caro jovem, comporta hoje um “deixar mais” do que supunha antes. Mas, tal como no tempo dos apóstolos, seguir Jesus é extraordinário e possível!