Author: carina-silva

Estar nas JMJ Rio’13, no “coração da jornada”, foi estar num lugar verdadeiramente especial, onde todo o mundo se uniu por uma mesma causa – Cristo!
Sabemos que nos dias de hoje, Ser jovem é sentir-se perdido, é ter problemas, é sentir-se desamparado e frágil. O Papa Francisco fez-nos perceber que Ser jovem cristão é sobretudo sentir-se amado, encontrado, amparado e saber que, qualquer que seja o rumo da nossa vida, nunca estaremos sozinhos!
A Jornada e o “contacto” com o Pastor da igreja católica, fez-me sentir um todo num instante. E como é bom sentirmo-nos assim! Desde a missa de acolhimento à missa de envio, todas as celebrações foram um verdadeiro ciclo de emoções que nos levaram a repensar toda a nossa vida e a questionarmos o nosso lugar neste mundo, que tem tanto de bom como de assustador. A incerteza do futuro e as dúvidas que nos assombram, transformaram-se em força e esperança.
A cidade do Rio tornou-se realmente maravilhosa, não só pelas paisagens, pelo Cristo Redentor e pela simpatia de todo o povo Carioca, mas sobretudo por sentirmos que, naquele preciso local, o mundo inteiro uniu-se pela fé, para pensar e rezar a sua própria existência! Ali, sentimo-nos verdadeiramente abençoados, acolhidos e amados. Todo o espirito da Jornada, o companheirismo, a amizade, a hospitalidade e vivência, tornou esta, uma das melhores experiências da minha vida! Depois disto, a Jornada continua, em mim e no coração de cada jovem que sabe escutar Cristo.

Pertencer ao Grupo de Acólitos de S. Paulo da Cruz ou ao grupo de Voluntariado Passionista, é fazer parte de uma família com a mesma espiritualidade, seguindo “o chamamento” a uma vida apaixonada em Cristo. Desde muito cedo, e inserida nesta família, aprendi a Ser Passionista e a ver na Paixão de Cristo uma história de amor incondicional, de entrega e de vitória da qual eu queria fazer parte. Através do meu testemunho (de vida) aprendi a dar-me e, nesta entrega, encontrei-me, porque acredito que “É dando-se que se é”.

Mais do que participar em todas as atividades do Grupo, sinto que é este o testemunho que tenho que dar e é este o modelo de vida que quero seguir, através de palavras e obras nas quais a paixão por Cristo esteja presente. No meu dia-a-dia, em África ou onde quer que seja, quero que saibam e sintam que Sou Passionista e que faço parte de uma família com uma espiritualidade muito própria, capaz de mudar o mundo, o meu mundo ou do meu irmão mais próximo…